Páginas

segunda-feira, 2 de março de 2015

[a minha opiniao conta] Facilitismo na Educação, sim ou não ?


Nos últimos dias, muito se escreveu e falou acerca das declarações do presidente do Conselho Nacional da Educação, no documento "Recomendação sobre retenção escolar no ensino básico e secundário", in Site Conselho Nacional da Educação.

Ao ler alguns artigos sobre este assunto, deparei-me com alguns pontos que me parecem importantes de salientar. 

A educação é uma das áreas com mais resultados desde o 25 de Abril de 1974, senão vejamos, apenas alguns exemplos, o processo de alfabetização do país teve os seus resultados e o ensino universitário foi aberto a toda a população.

Agora, parece-me que de forma muito séria e preocupante, foram as constantes mudanças e reformas que todos os ministros e secretários de estado resolveram implementar sempre que a cor política em Portugal se altera. E isto já dura desde os anos 90. 

Será este documento de David Justino mais uma tentativa de implementação de uma reforma na educação ?
Uma boa parte da argumentação parece vir da parte financeira, do aparente custo de cada aluno para o Estado, mais ainda quando este chumba ano após ano. 
Será então esta a verdadeira motivação ?
E porque não repensar o estudo desses jovens, no que eles verdadeiramente querem, será preciso esperar retenção após retenção para poder intervir e encaminhar o aluno para outro tipo de ensino. Vamos lá a tratar as coisas pelo nome !

Eu não digo que o documento não seja com boas intenções, mas faz-me lembrar o governo socialista de à uns anos atrás, em que foi permitido a passagem automática dos alunos até ao final de cada ciclo escolar. Desta forma, parece ter-se criado uma cultura de facilitismo que prejudicou muito os alunos e a educação em geral. 
E quem se lembra das Novas Oportunidades de Sócrates ? aqui era para melhorar as estatísticas ....

Não percebo a alusão de David Justino que o chumbo representa um trauma para o aluno, mas afinal de contas este chumba porque não atingiu os objetivos, correto ? porque não conseguiu adquirir as competências mínimas, correto ? mas isso terá alguma importância ? não parece .....

Parece-me ser necessário muitos mais argumentos do que apenas os financeiros. Para mim, é NÃO ao facilitismo que se quer criar e instalar na Educação em Portugal.

Não resisto a deixar a imagem abaixo, que representa muito bem o que estamos aqui a falar - criar facilitismo não vai melhorar a educação.


sábado, 28 de fevereiro de 2015

Booklet sobre Perturbacoes Alimentares

(imagem do site Dicas da Saude)

Recebi por mail de um amigo, o link para umas páginas de muito interesse. Assunto que pelo seu drama e relevância, merece toda a minha atenção.

Já, em tempos, tinha escrito um post sobre este dramático tema, que não pode nem deve ser escondido ou esquecido.

Deixo-vos abaixo um link para um pequeno booklet feito pela Universidade do Minho, sobre as perturbações de comportamento alimentar.

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Uma fase difícil .... não pode ser cobrada, temos de descer ao seu mundo e dar-lhes a mão

(imagem do Google)

Esta imagem reflete muito as minhas palavras abaixo

Uma fase difícil de uma criança, ou de um adolescente, não pode nem deve ser-lhe cobrada. O nosso papel como Pais ou Educadores é descer ao mundo deles e sobretudo dar-lhes a mão,e assim ajudá-los a superar esta fase difícil

Inauguração do Centro Social e Cantina Social da Cáritas Portimão


















Hoje foi um dia importante para a nossa paróquia, para a Cáritas Portimão e porque não para todos os portimonenses. 

A Cáritas paroquial da igreja matriz de Portimão, inaugurou a cantina social, que fica precisamente no edificio da sua sede e junto do novo centro paroquial. Esta cantina vai providenciar refeições quentes, e nalguns mesmo a única refeição quente familiar, a mais de duas centenas de familias já apoiadas neste momento pela Cáritas de Portimão
Uma idéia, um projeto, que se tornou numa obra do nosso Padre Mário, sempre incansável de ajudar todos os portimonenses, em especial os mais carenciados, doentes e necessitados. Não posso esquecer de mencionar todos os voluntários da Cáritas que já ajudaram e que vão continuar a fazê-lo diariamente, porque é mesmo isso que vai acontecer - diariamente a Cáritas vai fornecer refeições a várias dezenas da familias portimonenses.

Não devemos de deixar de mencionar que foram inúmeras as pessoas e organizações que tornaram, e vão tornar possível este projeto, esta obra. Dos que me lembro de ouvir mencionados, vão desde a Manuela Santos, presidente da Cáritas Portimão, e de todos os voluntários, da Junta de Freguesia de Portimão, dos Bombeiros Voluntários de Portimão (estas últimas que têm um projeto de levar a comida e apoio básico de saúde a quem não pode sair de casa), do Banco Alimentar de Portimão, e muitos e muitas mais portimonenses.

Tive oportunidade de participar na inauguração e benção das instalações, com a participação muito especial do Sr. Bispo do Algarve, e de muitas centenas de portimonenses que como eu quiseram mostrar publicamente o seu apoio a esta obra do Sr. Padre Mário e de todos os portimonenses. É verdade, tal como Padre Mário diz, a obra é nossa, porque ele esta hoje em Portimão, mas amanhã poderá estar noutra paróquia.

Gostava de salientar, e de reter, algumas palavras do Padre Mário, que me parecem de extrema importância e relevância. 
O edificio todo serve a população portimonense, e além da cantina social e instalações da Cáritas, também providencia espaço condigno ao Agrupamento Escutas 179 de Portimão e futuramente a muitas centenas de crianças da nossa catequese. É um edificio todo ele de cariz social e humanitário, e que por isso mesmo merece todo o meu apoio, e sei também o de todos os portimonenses, mesmo daqueles que por uma razão ou outra se querem distanciar deste processo. A esses, convido a visitarem o edificio, e terem assim oportunidade de perceber e de ver com os seus próprios olhos, o que lá funciona, é feito e sobretudo a quem se destina - tenho a certeza que desta forma mudariam de imediato de opinião.

Fiquei também entusiasmado com a idéia, com o projeto do Padre Mário de transformar o edificio da paróquia na rua do arco, que ainda serve de espaço de catequese, para um ATL social. Achei espantoso a idéia que muitas familias que não têm como, nem onde deixar as suas crianças, o possam fazer num espaço com condições e sobretudo com a segurança necessárias. 

Obrigado Padre Mário por mais um passo em auxilio dos desprotegidos e e necessitados da nossa paróquia. 

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

[a minha opiniao conta] T.P.C.´s - sim ou não ?



 
T.P.C - sim ou não ?
 
 
Esta é uma das perguntas que mais divide os Pais e Educadores, e não só em Portugal
 
 
Existem diversos casos conhecidos, e outros menos, de escolas que obrigam os professores a não passar trabalhos de casa, por considerarem que as horas letivas já são mais do que suficientes e assim evitar sobrecarga e pressão sobre estes fora da escola.
 
Parece-me que não será um assunto assim tão linear e que agrade a todos da mesma forma, mas eu considero que os trabalhos de casa devem ser vistos mais como uma forma de estudo, um forma de treino para o que apenderam no dia (ou eventualmente na semana). O TPC pode ter várias formas, leitura, fichas de trabalho, exercícios matemáticos e outros.
Temos sempre alguns professores que, pelas mais variadas razões, não conseguem dar a matéria de uma forma calma e que permita aos alunos assimilarem tudo. Nestes casos, muito menos de treinarem a matéria- por exemplo em Matemática.
 


Agora Srs. Professores(as), tudo o que é exagerado torna-se irreal e inatingível - logo pode criar um sentimento de frustração !!!! 
 
É aqui em que quando o tempo fora da escola é tal forma tomado com TPC´s, que nos tira tempo para a família, para uma atividade desportiva ou cultural, para uma brincadeira, então sim está errado e exagerado.
 
 
Este é como é óbvio um assunto controverso e com opiniões muito distintas.
A minha é que SIM aos TPC´s, mas com moderação e bom senso.
 

Ainda e sempre sobre os Direitos Humanos




(imagens do site The Guardian)
 
Algumas das ilustrações sobre os Direitos Humanos, que estão disponíveis no livro "We are all  born Free" e no site do The Guardian". Esta publicação da Amnistia Internacional, tambémcontém vários artigos sobre este tema.
 
Ainda podemos ver inúmeros vídeos sobre o tema no youtube, mas gostava de destacar um - "Everybody - We are all born Free". 

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

[a minha opiniao conta] O alcool e os menores

 
Começo este texto com a imagem acima, que de uma forma muito geral e bastante elucidativa, dá a informar que apenas é permitido vender bebidas alcoólicas a maiores de 18 anos.
 
 (imagens do Google)
 
Nos últimos dias, li alguns artigos e notas de opinião, sobre este assunto e sobre a fiscalização que tem sido feita pelas autoridades portuguesas.
 
Noticia do Jornal de Noticias "Lei que proíbe álcool menores é ineficaz"
 
A ASAE tem intensificado as suas fiscalizações na noite de Lisboa, e no resto do País onde andam os fiscais ????
 
Que ninguém tenha dúvida que na noite algarvia existem muito bares que servem as bebidas da moda a adolescentes, alguns com 14 anos. E, por bebidas da moda, estou a falar de shots, alguns com absinto e outras bebidas brancas. O que acontece a quem vende bebidas a menores ? pagam a multa e continua em frente porque o proveito é maior, aqui é que está o problema ....
Além de todas as multas, nada mais acontece.
 
Também não podemos atribuir toda a responsabilidade aos proprietários e gestores dos estabelecimentos de diversão noturna, os Pais e Educadores têm de ter uma atitude mais responsável e próxima dos jovens.
É demais imprescindível que saibam onde vão os jovens, com quem estão e o que estão a fazer. Percebam onde param, se as bebidas têm álcool e quem lhes deu ou vendeu. Até pode ser que esse bar não seja o indicado, quer pelo ambiente em si como pela frequência - mas para isso é preciso que se conheça o espaço e o ambiente.
É normal que queiram experimentar, mas já não é tão normal ficarem em coma alcoólico ou num estado de vomitarem, isso não. Beber com moderação, e na altura certa.
 
Por alguma razão se diz que o álcool queima os neurónios.
 
E porque não uma palavrinha a quem vendeu a bebida indevidamente, não temos de ter receio ou medo. Experimentem e logo vêm que o resultado pode ser surpreendente.

sábado, 14 de fevereiro de 2015

[a minha opiniao conta] Os jovens e as novas tecnologias no ensino


(imagens do Google)

Curioso o estudo da Accenture em que os jovens sentem que o ensino de hoje não os prepara para as oportunidades digitais.

Infelizmente, apenas posso dizer que concordo e sei que é uma verdade e realidade do ensino atual.
Quantos de nós, não conhecem professores que não sabem nem para eles, quanto mais para ensinar aos jovens como utilizar as novas tecnologias.

Afinal de contas, estas competências que podem desenvolver e aprender, são o que pode lhes dar a vantagem, ou desvantagem, naquele emprego de sonho. A economia digital pode ajudar a encontrar o tal emprego.

Interessante esta preocupação dos nossos jovens, mas muito preocupante que tenham esta perceção de não estarem a ser devidamente formados e ensinados.

Agora vem o desafio, como melhorar estas competências ?

Tenho dificuldade em conceber um professore que nestes tempos, pede o trabalho manuscrito, ou que não o quer receber via digital (vulgo mail) porque não tem e não sabe mexer nisso. É verdade, ainda existem destes.

Os programas escolares não estão devidamente adaptados, as salas de aula não estão devidamente equipadas e adaptadas aos tempos modernos e tecnológicos. Os professores deveriam de conseguir utilizar as novas tecnologias, os próprios telemóveis e tablets a seu favor. Com as novas tecnologias, vêm novas metodologias de ensino, e isso é difícil porque poucos vão querer aceitar a mudança e a inovação.

Ainda existe muito a fazer.

A ver vamos !

[a minha opiniao conta] A adoção e o interesse das crianças

(imagem do site IOnline)
 
À umas semanas atrás foram discutidos alguns projetos sobre a adoção plena por casais homossexuais, apresentados pelos partidos do PS, BE e Os Verdes.
 
Desde logo me apetece dizer que o que interessa mesmo é o superior interesse da criança e não guerras partidárias e ideológicas. Não será fácil para nenhum deputado, seja qual for o partido ter isto em consideração, porque afinal de contas estas 'guerras' estás-lhes no ADN.
 
Eu, no meu intimo, não sou propriamente contra a adoção por casais homossexuais, mas tenho as minha dúvidas. Ora vejamos, será que já existem estudos suficientes para se perceber se a adoção por casais do mesmo sexo interfere com a criança, com o seu desenvolvimento, com a construção da sua identidade e personalidade e com a sua integração social.
 
Sei, e tenho presente que casa caso é um caso, e não é por serem duas pessoas do mesmo sexo, ou de sexos diferentes que vai fazer com que sejam uma família feliz. Tenho presente este sentimento, mas aquilo que é uma família tradicional, para mim ainda é um Pai e uma Mãe.
Agora, o que está em causa com os diplomas acima indicados é uma imposição que pode ter resultados nefastos para a criança, seu desenvolvimento e integração social.
 
Aguardo agora que a proposta do Movimento Alternativa e Responsabilidade (MAR) seja apresentada e discutida, porque essa sim me parece com bom senso e realista.
Trata-se de um projeto de lei que alarga as responsabilidades parentais a casais do mesmo sexo. Esta proposta visa regular as responsabilidades sobre as crianças em caso de divórcio, de morte ou de outro qualquer impedimento de um do casal.
Contrariamente a outros, esta proposta era destinada a todos os casais, casados ou unidos de facto, seja qual for o seu sexo ou natureza sexual - afinal de contas, a Lei portuguesa já prevê um casal com dois elementos do mesmo sexo.
 
 Mais uma vez, o superior interesse da criança deve estar primeiro e sempre presente.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

[a minha opinião conta] Crimes de menores serão investigados mesmo sem queixa

(imagem do site Noticias ao Minuto)

Várias alterações à Lei Tutelar Educativa, que foram discutidas hoje no Parlamento. Foram discutidos 4 projetos de alteração a esta Lei, de vários partidos como o PS, PSD, CDS e PCP.
São variadas as propostas, mas pode-se salientar alguns aspetos como a medida de se prescindir da queixa do ofendido, a pena mínima de internamento para os jovens que cometem crimes aumenta para o dobro da atual as medidas tutelares aplicadas aos menores, a criação de unidades residenciais de transição para jovens saídos dos centros educativos, entre outras.
 
A partir de 15 de Fevereiro, todos os crimes cometidos por menores de 16 anos passam a ter de ser investigados, mesmo que não tenha sido apresentada uma queixa formal. Para tal, basta dar conhecimento à policia ou ao ministério público. Crimes como o furto, ofensa à integridade física simples, difamação, calúnia e injúria, são exemplos de crimes cometidos por menores.
 
Trata-se de situações que a ocorrerem, mesmo em ambiente escolar (aqui estou curioso porque infelizmente acontecem e muito ....), podem ser alvo da abertura de inquérito por parte do ministério público, todos estes crimes passam a ter de ser analisados mesmo que não haja uma queixa formal por parte do ofendido, basta a denuncia de alguém.
 
Será que desta forma alguns jovens vão perceber que não podem agredir e ofender os outros, sem que para tal possa haver uma sanção e pena por tal ato ? Esperemos que assim acabe as situações e falsas sensações de impunidade que existem atualmente .
 
Com estas alterações, em particular com a descrita acima, pretende-se reduzir substancialmente o número de impunidades existentes em crimes cometidos por menores.