Páginas

terça-feira, 14 de abril de 2015

[artigo de opinião] E agora, como agir perante tanta violência sobre as Crianças ?

Deixo link para artigo de opinião, da minha autoria, publicado no site do Região Sul. Aceitam-se criticas e comentários ao artigo.



Os casos de violência e de abusos para com crianças das últimas semanas, só vieram mesmo agravar uma situação, já de si grave e preocupante.

Aos olhos de muitos, as situações de violência, e em alguns casos que acaba mesmo na morte trágica de uma criança, não seriam possíveis de acontecer, mas infelizmente são bem reais e até podem estar bem perto de nós. Muitos me têm perguntado, como é possível um Pai ou uma Mãe fazer isto a um filho? É uma pergunta que fica sem resposta, pois estes atos são de uma tamanha malvadez e estranheza que não podem, nem têm qualquer explicação.

Os últimos acontecimentos exigem de todos os portugueses uma voz ativa, uma maior atenção para o que nos rodeia, para as crianças e jovens que todos conhecemos e reconhecemos como em risco. As escolas, os professores, os educadores, e todos os cidadãos em geral têm de perder o receio de relatar a quem de direito as situações que têm conhecimento, e até o podem fazer no anonimato.

Atenção já não se pede, neste momento exige-se de todos nós !

Também é imprescindível que, de uma vez por todas, o Estado português assuma o seu papel e possa dar a todos os organismos que têm a responsabilidade infantil, formas e meios para combater e ajudar as crianças e jovens em risco. Basta ler o que tem sido descrito e relatado por quem trabalha e acompanha as inúmeras Comissões Proteção Crianças e Jovens em Portugal – são por vezes milhares de processos, que sem técnicos são impossíveis de dar seguimento e sobretudo de tentar resolver.

E agora, como agir perante tanta violência sobre as Crianças ?

A resposta vai ficar em aberto, mas urge agir e agir e agir, já chega de passividade perante casos após casos de violência sobre as Crianças.

Não será suficiente, mas foi com enorme satisfação, e posso dizer alguma expectativa, que li no comunicado do Instituto de Apoio à Criança, da intenção de propor ao Governo a criação de um Plano Nacional de Prevenção e Combate à Violência sobre as Crianças. Pelo que conheço, e tenho acompanhado, do trabalho deste instituto, tenho a certeza que vai ser um plano real, mas sobretudo de aplicação possível. Espero ansiosamente para ler o plano.


João Bárbara

quarta-feira, 1 de abril de 2015

[artigo de opinião] O papel dos Pais numa Escola Pública


Deixo-vos com o link para artigo de opinião, da minha autoria, intitulado de : "O papel dos Pais numa Escola Pública", publicado no site do Região Sul.

Convido todos a lerem, a comentarem e sejam livres de partilhar com os Vossos amigos, se assim o entenderem.

quinta-feira, 12 de março de 2015

Combate ao abuso sexual, pornografia e exploração sexual de menores










O Conselho de Ministros aprovou uma proposta de lei que procede à alteração do código penal, tornando mais eficaz o combate ao abuso sexual, pornografia infantil e à exploração sexual de crianças e jovens. 

Passa a ser crime, o aliciamento de menores para fins sexuais com recurso às tecnologias de informação e da comunicação. Exemplo disso é a internet e o facebook. 
Este novo tipo de aliciamento e de perigo está na casa de todos nós, em especial pela larga utilização do facebook por menores de idade, muitas vezes sem qualquer supervisão de adultos responsáveis.

A par destas medidas, também vai criado um registo de identificação criminal de condenados por crimes contra a autodeterminação sexual e a liberdade sexual de menores, assim como inibição de uma pessoa condenada por estes crimes de trabalhar, ou mesmo ser voluntário, em instituições com contacto com crianças e jovens. 

Como Pai e Educador que sou, tenho plena consciência que hoje foi dado um passo importante no combate ao abuso sexual, pornografia infantil e à exploração sexual de crianças e jovens. 

Aguardemos agora que a base de dados não seja mal utilizada e interpretada.

segunda-feira, 2 de março de 2015

[a minha opiniao conta] Facilitismo na Educação, sim ou não ?


Nos últimos dias, muito se escreveu e falou acerca das declarações do presidente do Conselho Nacional da Educação, no documento "Recomendação sobre retenção escolar no ensino básico e secundário", in Site Conselho Nacional da Educação.

Ao ler alguns artigos sobre este assunto, deparei-me com alguns pontos que me parecem importantes de salientar. 

A educação é uma das áreas com mais resultados desde o 25 de Abril de 1974, senão vejamos, apenas alguns exemplos, o processo de alfabetização do país teve os seus resultados e o ensino universitário foi aberto a toda a população.

Agora, parece-me que de forma muito séria e preocupante, foram as constantes mudanças e reformas que todos os ministros e secretários de estado resolveram implementar sempre que a cor política em Portugal se altera. E isto já dura desde os anos 90. 

Será este documento de David Justino mais uma tentativa de implementação de uma reforma na educação ?
Uma boa parte da argumentação parece vir da parte financeira, do aparente custo de cada aluno para o Estado, mais ainda quando este chumba ano após ano. 
Será então esta a verdadeira motivação ?
E porque não repensar o estudo desses jovens, no que eles verdadeiramente querem, será preciso esperar retenção após retenção para poder intervir e encaminhar o aluno para outro tipo de ensino. Vamos lá a tratar as coisas pelo nome !

Eu não digo que o documento não seja com boas intenções, mas faz-me lembrar o governo socialista de à uns anos atrás, em que foi permitido a passagem automática dos alunos até ao final de cada ciclo escolar. Desta forma, parece ter-se criado uma cultura de facilitismo que prejudicou muito os alunos e a educação em geral. 
E quem se lembra das Novas Oportunidades de Sócrates ? aqui era para melhorar as estatísticas ....

Não percebo a alusão de David Justino que o chumbo representa um trauma para o aluno, mas afinal de contas este chumba porque não atingiu os objetivos, correto ? porque não conseguiu adquirir as competências mínimas, correto ? mas isso terá alguma importância ? não parece .....

Parece-me ser necessário muitos mais argumentos do que apenas os financeiros. Para mim, é NÃO ao facilitismo que se quer criar e instalar na Educação em Portugal.

Não resisto a deixar a imagem abaixo, que representa muito bem o que estamos aqui a falar - criar facilitismo não vai melhorar a educação.


sábado, 28 de fevereiro de 2015

Booklet sobre Perturbacoes Alimentares

(imagem do site Dicas da Saude)

Recebi por mail de um amigo, o link para umas páginas de muito interesse. Assunto que pelo seu drama e relevância, merece toda a minha atenção.

Já, em tempos, tinha escrito um post sobre este dramático tema, que não pode nem deve ser escondido ou esquecido.

Deixo-vos abaixo um link para um pequeno booklet feito pela Universidade do Minho, sobre as perturbações de comportamento alimentar.

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Uma fase difícil .... não pode ser cobrada, temos de descer ao seu mundo e dar-lhes a mão

(imagem do Google)

Esta imagem reflete muito as minhas palavras abaixo

Uma fase difícil de uma criança, ou de um adolescente, não pode nem deve ser-lhe cobrada. O nosso papel como Pais ou Educadores é descer ao mundo deles e sobretudo dar-lhes a mão,e assim ajudá-los a superar esta fase difícil

Inauguração do Centro Social e Cantina Social da Cáritas Portimão


















Hoje foi um dia importante para a nossa paróquia, para a Cáritas Portimão e porque não para todos os portimonenses. 

A Cáritas paroquial da igreja matriz de Portimão, inaugurou a cantina social, que fica precisamente no edificio da sua sede e junto do novo centro paroquial. Esta cantina vai providenciar refeições quentes, e nalguns mesmo a única refeição quente familiar, a mais de duas centenas de familias já apoiadas neste momento pela Cáritas de Portimão
Uma idéia, um projeto, que se tornou numa obra do nosso Padre Mário, sempre incansável de ajudar todos os portimonenses, em especial os mais carenciados, doentes e necessitados. Não posso esquecer de mencionar todos os voluntários da Cáritas que já ajudaram e que vão continuar a fazê-lo diariamente, porque é mesmo isso que vai acontecer - diariamente a Cáritas vai fornecer refeições a várias dezenas da familias portimonenses.

Não devemos de deixar de mencionar que foram inúmeras as pessoas e organizações que tornaram, e vão tornar possível este projeto, esta obra. Dos que me lembro de ouvir mencionados, vão desde a Manuela Santos, presidente da Cáritas Portimão, e de todos os voluntários, da Junta de Freguesia de Portimão, dos Bombeiros Voluntários de Portimão (estas últimas que têm um projeto de levar a comida e apoio básico de saúde a quem não pode sair de casa), do Banco Alimentar de Portimão, e muitos e muitas mais portimonenses.

Tive oportunidade de participar na inauguração e benção das instalações, com a participação muito especial do Sr. Bispo do Algarve, e de muitas centenas de portimonenses que como eu quiseram mostrar publicamente o seu apoio a esta obra do Sr. Padre Mário e de todos os portimonenses. É verdade, tal como Padre Mário diz, a obra é nossa, porque ele esta hoje em Portimão, mas amanhã poderá estar noutra paróquia.

Gostava de salientar, e de reter, algumas palavras do Padre Mário, que me parecem de extrema importância e relevância. 
O edificio todo serve a população portimonense, e além da cantina social e instalações da Cáritas, também providencia espaço condigno ao Agrupamento Escutas 179 de Portimão e futuramente a muitas centenas de crianças da nossa catequese. É um edificio todo ele de cariz social e humanitário, e que por isso mesmo merece todo o meu apoio, e sei também o de todos os portimonenses, mesmo daqueles que por uma razão ou outra se querem distanciar deste processo. A esses, convido a visitarem o edificio, e terem assim oportunidade de perceber e de ver com os seus próprios olhos, o que lá funciona, é feito e sobretudo a quem se destina - tenho a certeza que desta forma mudariam de imediato de opinião.

Fiquei também entusiasmado com a idéia, com o projeto do Padre Mário de transformar o edificio da paróquia na rua do arco, que ainda serve de espaço de catequese, para um ATL social. Achei espantoso a idéia que muitas familias que não têm como, nem onde deixar as suas crianças, o possam fazer num espaço com condições e sobretudo com a segurança necessárias. 

Obrigado Padre Mário por mais um passo em auxilio dos desprotegidos e e necessitados da nossa paróquia. 

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

[a minha opiniao conta] T.P.C.´s - sim ou não ?



 
T.P.C - sim ou não ?
 
 
Esta é uma das perguntas que mais divide os Pais e Educadores, e não só em Portugal
 
 
Existem diversos casos conhecidos, e outros menos, de escolas que obrigam os professores a não passar trabalhos de casa, por considerarem que as horas letivas já são mais do que suficientes e assim evitar sobrecarga e pressão sobre estes fora da escola.
 
Parece-me que não será um assunto assim tão linear e que agrade a todos da mesma forma, mas eu considero que os trabalhos de casa devem ser vistos mais como uma forma de estudo, um forma de treino para o que apenderam no dia (ou eventualmente na semana). O TPC pode ter várias formas, leitura, fichas de trabalho, exercícios matemáticos e outros.
Temos sempre alguns professores que, pelas mais variadas razões, não conseguem dar a matéria de uma forma calma e que permita aos alunos assimilarem tudo. Nestes casos, muito menos de treinarem a matéria- por exemplo em Matemática.
 


Agora Srs. Professores(as), tudo o que é exagerado torna-se irreal e inatingível - logo pode criar um sentimento de frustração !!!! 
 
É aqui em que quando o tempo fora da escola é tal forma tomado com TPC´s, que nos tira tempo para a família, para uma atividade desportiva ou cultural, para uma brincadeira, então sim está errado e exagerado.
 
 
Este é como é óbvio um assunto controverso e com opiniões muito distintas.
A minha é que SIM aos TPC´s, mas com moderação e bom senso.
 

Ainda e sempre sobre os Direitos Humanos




(imagens do site The Guardian)
 
Algumas das ilustrações sobre os Direitos Humanos, que estão disponíveis no livro "We are all  born Free" e no site do The Guardian". Esta publicação da Amnistia Internacional, tambémcontém vários artigos sobre este tema.
 
Ainda podemos ver inúmeros vídeos sobre o tema no youtube, mas gostava de destacar um - "Everybody - We are all born Free".