segunda-feira, 1 de junho de 2009

Estranha Forma de Vida – Ainda a “polémica” da Creche do Malheiro

[Artigo de Opinião - João Caetano]

Estranha Forma de Vida – Ainda a “polémica” da Creche do Malheiro


Nos últimos três anos o CDS de Portimão tem procurado estar junto das populações, ouvindo de viva voz os seus problemas e procurando, de uma forma construtiva, encontrar respostas para os mesmos. Numa democracia adulta e saudável, em que os políticos no poder respeitam e valorizam o debate frontal e o papel dos partidos da Oposição, esta postura era, pelo menos, respeitada, quando não mesmo valorizada. Em Portimão, como, aliás, no país, não é esta a visão do Partido Socialista quanto ao papel e ao trabalho das Oposições.

Assistimos recentemente em Portimão a mais um triste exemplo desta estranha forma de fazer política que é já património imaterial do PS. Numa das várias visitas que o CDS tem feito pelo concelho fora, deparamo-nos com a questão da localização da nova creche do Malheiro. Ouvimos os habitantes, que estavam unidos e organizados em volta de um anseio legítimo: um novo jardim, há muito prometido, exactamente para o local onde estava a iniciar-se a construção da nova creche. Estudamos o problema, ponderamos alternativas e tomamos posição pública. Após a marcação de uma reunião pelo Executivo para debater a questão, reunião aberta às “partes interessadas” (palavras da Dra. Isabel Guerreiro, em Sessão de Câmara do dia 20 de Maio), fizemos o mínimo que nos era exigido: apelamos à participação dos moradores do Malheiro na mesma, através de um singelo comunicado, distribuído à população.

Chamar a isto “manipulação” é não entender os mecanismos básicos de funcionamento da democracia. O PS vê em qualquer ajuntamento de pessoas um potencial foco de contestação e, por consequência, uma manobra obscura de manipulação laboriosamente preparada por um qualquer partido político ou sindicato. Sucede assim com as manifestações dos professores ou da função pública (a nível nacional), é também assim em Portimão, com qualquer proposta ou apelo que a oposição divulgue em defesa das populações. Mas o mais grave desta estranha forma de encarar a política é a falta de respeito explícita que ela representa pelos cidadãos. Dizer a alguém que está a ser manipulado é sinónimo de falta de inteligência dessa pessoa ou mesmo de falta de consciência do que ela está a defender. Será, em democracia, o supremo desrespeito pelos cidadãos, ainda para mais vinda de um Presidente da Câmara que “enche a boca” com discursos politicamente correctos sobre a cidadania e participação cívica. E é tanto mais irónico, quando vem do mesmo PS que usa criancinhas inocentes em espectáculos públicos de marketing político ou que encena jantares com milhares de pessoas, que nem sabem ao que vão. Acresce que ser acusado pelo Dr. Manuel da Luz ou pelo Dr. Luís Carito de manipular alguém só pode ser ouvido com um elogio, já que quanto a manipulação de pessoas, eles, mais do que ninguém nesta cidade, sabem realmente do que falam!

Enquanto existir esta falta de cultura democrática no nosso concelho, enquanto existirem pessoas que têm medo de falar ou que, por intimidação ou medo de represálias, dizem apenas o que o Dr. Manuel da Luz quer ouvir, enquanto ocorrerem casos como o do Malheiro, em que a população não é ouvida, o CDS de Portimão não descansará e não calará a sua voz. Não nos calam com acusações de manipuladores, não nos intimidam com gritaria e com dedos espetados, porque estamos já vacinados contra esta forma de estar do PS, que, aliás, demonstra o nervosismo próprio daqueles que pensam mais na politiquice do que no que bem-estar das populações. Dêem festas, inaugurações, arraiais e bailaricos ao Dr. Manuel da Luz. Aí não há contestação possível, só há manipulação mal disfarçada! Mas é do regime e poder instalado, ninguém leva a mal! Estranha forma de vida, a do PS, estranha forma de democracia, a dos socialistas!

João Gonçalves Caetano

Candidato do CDS/PP à Câmara Municipal de Portimão
Advogado e Membro da Ass. Munic. Portimão (Independente, indicado pelo CDS/PP)

Sem comentários: