segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

O direito á cábula afinal existe mesmo


Sempre foi um mistério para mim os alunos que recorrem permanentemente e de forma sistemática ás cábulas e ao chamado 'copianço' para fazer os exames. Não que nunca tenha copiado mas das poucas vezes que o fiz poucos benefícios tive, e talvez por isso mesmo tenha-o feito muito pouco. Algumas das cábulas que vi nos meus anos de estudo até podiam ser consideradas verdadeiras obras de arte, de tão elaboradas e bem concebidas que eram. E todas resultavam ? nem por isso .....

Agora, parece que alguém se lembrou que os alunos afinal até têm o direito a copiar nos exames.

Os alunos da Universidade de Sevilha já podem copiar nos exames. Isto porque a Universidade reconheceu o seu "direito" a fazê-lo, pelo que os professores já não poderão chumbar, expulsar ou suspender os alunos que forem apanhados a copiar.

Mas não se indignem os que não copiam e se sentem insultados pela medida. Sempre que um aluno da Universidade for apanhado a olhar para o teste do lado, o professor não deverá dizer nada. Em vez disso, deverá anexar ao exame uma nota a informar que o aluno parecia estar a copiar durante a execução do exame, para que uma comissão composta por três professores e três alunos decida se houve ou não cópia.

Na prática, os alunos não podem copiar, simplesmente podem olhar para os testes dos colegas sem sofrerem punições por isso. Ainda assim, professores consultados pelo "El Mundo" classificam a permissividade das novas regras (incluídas nas Normas Reguladoras da Avaliação e Qualificação das Assinaturas, aprovadas em Setembro pelo Conselho da Universidade) como uma "barbaridade".

Parece que ainda vai ser mais confuso ..... 3 alunos e 3 professores a analisar e a decidir vai ser difícil chegar a acordo.

O que vos parece ?

Sem comentários: