sábado, 14 de maio de 2011

Algumas medidas do CDS para um Melhor Portugal

Ontem tive oportunidade de ouvir o debate entre o Paulo Portas e Passos Coelho. Fiquei ciente, se é que ainda restaria alguma dúvida dentro de mim, de que o CDS e Paulo Portas são de facto a melhor alternativa para Portugal. Neste momento, em que Portugal precisa de alguém coerente, prudente e capaz de colocar Portugal no seu lugar.

Ouvi várias medidas, desde a educação à justiça. 

O facto do CDS querer limitar o endividamento público demonstra bem o cuidado que temos em manter as contas controladas, afinal estamos a falar de dinheiro público que deve e deveria ter sido sempre bem gerido e com muita e muita moderação. 

Num momento de crise financeira como estamos, sem dinheiro para, a única solução possível para as parceiras público-privadas só pode mesmo ser a suspensão de muitas e a análise muito cuidada de muitas outras parcerias existentes. A posição, que alguns até podem considerar de radical, de suspender de imediato o TGV e adiar o novo aeroporto, demonstra bem a sensatez e mais uma vez o cuidado com os fundos públicos. Não me parece nada que o CDS seja contra as parceiras e as grandes obras públicas, mas nos tempos que correm só deveria restar mesmo o cuidado e o adiamento destas obras. A razão é simples : não temos dinheiro, por isso temos que ter calma.

Quanto à privatização da CGD ou mesmo a privatização do que se pode chamar de 'monopólios naturais', não estamos neste momento no 'timing' certo. Se pensarmos bem, em momentos de crise devemos manter e não vender. O que me parece que pode acontecer com a privatização da CGD é a alienação dos capitais da CGD muito provavelmente a capitais estrangeiros e o mais certo seria ser abaixo do preço justo e certo.

Há que reduzir a máquina estatal, temos muitos organismos públicos, demasiado fundações, agências e empresas municipais por este País fora. O Estado português não deveria ser o principal empregador, deve ter um papel importante, mas não ser o principal. Basta analisar alguns concelhos para percebermos que pouco se tem feito para mudar este cenário, o que em tempos de crise como o que agora se vive pode trazer graves problemas financeiros e de endividamento excessivo.

A reestruturação do cenário administrativo, que a passar pela extinção de governos civis, pode muito bem ser o levantamento do véu para a discussão da regionalização. A meu ver, e pelo que consigo entender, e pegando no exemplo algarvio parece-me que tinhamos tudo para levar avante a regionalização e sem grandes custos - a bem ver temos tudo montado e a funcionar, desde Governo Civil e Direções Regionais.

Na educação o CDS é de longe o mais sensato, começando logo por pensar em primeiro lugar nos jovens, não tirando para isso a legitimidade e o poder aos professores. Afinal, em casa manda a familia mas na escola mandam os professores - a autoridade que tem sido retirada ao longo dos últimos naos tem levado ao aumento da insegurança e da violência nas escolas. Mais uma vez, o Estado deveria repensar quando gasta milhões em escolas, muitas vezes construidas de raíz, sem pensar e sem analisar se existem alternativas viáveis na Concelho.

O CDS está consciente do enorme desafio que é garantir a sustentabilidade de um sistema de saúde universal e de qualidade. As nossas opções terão sempre uma opção preferencial pelos mais necessitados e vulneráveis e salvaguardarão a justiça no acesso à saúde. Há que garantir o acesso á saude mas de forma justa. Prescrição por DCI e unidose, esta uma Grande medida em prol de todos e que podia beneficiar todos os utentes - não se percebe porque o PS, PSD recusaram (ou melhor, até se percebe mas não se entende). A criação de uma organização nos Cuidados Paliativos, que possa permitir a quem está nesta trágica situação um fim de vida com dignidade e com os cuidados minimos que todos deveriamos ter acesso.

Nas prestações sociais, o CDS tem sempre sido o único partido que tem tentado combater os subsidios dependentes, o cruzamento dos subsidios, o combater as baixas fraudulentas, o combater os subsdidios de desemprego a quem está a trabalhar ..... e muitos outros que não se pode aqui enumerar. Para quem trabalha e paga os seus impostos, medidas destas merecem o apoio e o voto.

Ficam apenas algumas das medidas que me parecem importantes e fulcrais para levar Portugal a bom porto. Existe muitas mais, para isso sugiro a leitura cuidada e atenta do Manifesto eleitoral do CDS-PP.

Sem comentários: