quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

[a minha opiniao conta] 2014 : Ano Devastador para as crianças e jovens


(imagem do site Globo

Só podia mesmo ser hoje que escrevo estas linhas. 

Hoje é um dia especial para Malala, que recebeu formalmente o Nobel da Paz, pela sua dedicação e trabalho em prol da educação para as inúmeras jovens do seu País, e não só, pelo livre acesso à Educação. É um dia especial para a esperança de todas as crianças e jovens.
Tal como Malala teve oportunidade de referir, este prémio é das milhões de meninas que como elas não tinha acesso à Educação. É precisamente este humildade que me atrai nesta jovem, que me dá forças para ser mais um a lutar pelos direitos das crianças em serem felizes, pelo direito de terem um teto, pelo direito de terem uma familia e um lar, pelo direito de um carinho. 

Neste ano, em que se comemoram 25 anos dos Direitos da Criança, e dias após a apresentação por parte da Unicef do seu relatório anual, percebemos que nunca tantas crianças foram agredidas, usadas, molestadas, mortas, violadas como neste ano. Percebemos existem crianças sem uma mão amiga, sem um Pai, sem uma Mãe, sem o apoio de alguém ...... e com os seus direitos violados ! 
É um ano Devastador para as crianças e jovens. Este documento da Unicef não é só mais um conjunto de folhas soltas, é uma imagem real do sofrimento infantil onde este é mais visivel e constante. É aquilo que se pode denominar, se pode definir como um quadro negro da condição infantil. 

A nossa situação portuguesa não é em todo diferente, por isso celebrar os 25 anos dos Direitos da Crianças sem mudanças que se vejam, sem mudanças reais e visiveis é em tudo uma ironia que se torna mesmo numa hipocrisia global. 

Estamos no Natal, onde se fala mais e nos lembramos mais das crianças e jovens, época que deveria ser por si só de alegria. Não é no seu todo verdade, sabemos bem que muitas crianças e jovens portuguesas não têm um Natal alegre e com proteção. Não têm uma familia, não têm um lar, uma casa. Todas as crianças merecem mais de todos nós, merecem ser protegidas, merecem ter o carinho que lhes falta. 

Hoje quando ouvi o discurso de Malala vieram-me as lágrimas aos olhos, não só pela tristeza do que esava a visualizar nas suas palavras mas também pela esperança que senti por perceber que posso ser mais um, apenas mais um, até que a última criança tenha um Lar, tenha o carinho e a proteção que merece. 

Até lá, não desisto e resisto. Hei-de conseguir, sei que hei-de lá chegar ....

Sem comentários: