sábado, 14 de fevereiro de 2015

[a minha opiniao conta] A adoção e o interesse das crianças

(imagem do site IOnline)
 
À umas semanas atrás foram discutidos alguns projetos sobre a adoção plena por casais homossexuais, apresentados pelos partidos do PS, BE e Os Verdes.
 
Desde logo me apetece dizer que o que interessa mesmo é o superior interesse da criança e não guerras partidárias e ideológicas. Não será fácil para nenhum deputado, seja qual for o partido ter isto em consideração, porque afinal de contas estas 'guerras' estás-lhes no ADN.
 
Eu, no meu intimo, não sou propriamente contra a adoção por casais homossexuais, mas tenho as minha dúvidas. Ora vejamos, será que já existem estudos suficientes para se perceber se a adoção por casais do mesmo sexo interfere com a criança, com o seu desenvolvimento, com a construção da sua identidade e personalidade e com a sua integração social.
 
Sei, e tenho presente que casa caso é um caso, e não é por serem duas pessoas do mesmo sexo, ou de sexos diferentes que vai fazer com que sejam uma família feliz. Tenho presente este sentimento, mas aquilo que é uma família tradicional, para mim ainda é um Pai e uma Mãe.
Agora, o que está em causa com os diplomas acima indicados é uma imposição que pode ter resultados nefastos para a criança, seu desenvolvimento e integração social.
 
Aguardo agora que a proposta do Movimento Alternativa e Responsabilidade (MAR) seja apresentada e discutida, porque essa sim me parece com bom senso e realista.
Trata-se de um projeto de lei que alarga as responsabilidades parentais a casais do mesmo sexo. Esta proposta visa regular as responsabilidades sobre as crianças em caso de divórcio, de morte ou de outro qualquer impedimento de um do casal.
Contrariamente a outros, esta proposta era destinada a todos os casais, casados ou unidos de facto, seja qual for o seu sexo ou natureza sexual - afinal de contas, a Lei portuguesa já prevê um casal com dois elementos do mesmo sexo.
 
 Mais uma vez, o superior interesse da criança deve estar primeiro e sempre presente.

Sem comentários: