O regresso à Escola para os exames nacionais


Caros amigos e amigas,

Estamos a dias do aclamado regresso às aulas dos alunos do 11º e 12º ano, assim como da abertura das creches, e entendo ser a altura certa para deixar a minha opinião.

O Observatório das Políticas de Educação e Formação elaborou o Relatório sobre o Impacto do COVID-19 no sistema de ensino português, tendo o referido sido divulgado, de forma preliminar e parcial. Este inquérito começou a ser aplicado aos portugueses, no dia em que as escolas teriam retomado a sua atividade letiva, após as férias da Páscoa e que pode ser consultado aqui. Como podem verificar pela análise do relatório, as opiniões dos portugueses não são muito concordantes com o Governo. Não vou propriamente comentar os resultados, pois esses são números, e estão claros no relatório, mas sim deixar a minha opinião.

Quanto às creches, verifico que a preocupação governamental é mais a nível económico, do que escolar. É preciso que os pais e mães voltem ao trabalho, e para isso, é preciso garantir que as creches estão abertas para os receber. As medidas a aplicar não me parecem de todo possíveis, e muito menos são sensatas. Quem trabalha nas creches, ou similares, quem já teve, ou tem, filhos desta idade, não entende como querem que as crianças não interajam entre si, não se toquem, não brinquem uns com os outros, não brinquem com os brinquedos uns dos outros, não ponham as mãos na boca, olhos, cara ... enfim, irreal! Estamos a deixar passar o afeto, o toque e o carinho que existe, e é preciso existir nestas idades. A educadora de infância e as auxiliares nesta idade estão, e são muito próximas das crianças. Entendo que é muito cedo, as verdadeiras razões não deveriam ter tanta força.

Agora, vamos aos 11º e 12º anos, assim como do 2º e 3º anos dos cursos profissionais, em que tem sido anunciado em todo o lado que vão regressar ás escolas para terem aulas. São mais de 100.000 alunos, e é apenas para as disciplinas de exames nacionais dos 11º e 12º anos, sendo que os horários podem ser consultados nos sites das escolas. Mas, e tem sempre um mas, nem todos vão ter essa oportunidade de ter aulas presenciais, que servem de preparação para os exames nacionais, é verdade, isso vai acontecer em Portimão, mais propriamente no Agrupamento de Escolas Poeta António Aleixo, mas isso é para outro post, mas fiquem com esta ideia, não, não vão todos ter as mesmas oportunidades de preparação para os mesmos exames nacionais.

Neste caso estou de acordo, sempre com a devida reserva e receio, mas parece-me importante que existam estas aulas presenciais, que servem de preparação para as disciplinas que vão ter exames nacionais. O acesso ao ensino superior depende, em parte, destes exames nacionais, pelo que urge dar esta importância a uma presença física com o professor. É preciso restituir tranquilidade e serenidade na preparação e estudo para os exames nacionais.

Em Portimão, os professores e funcionários das escolas, vão ser testados, com o apoio do Município. De acordo, mas fica aquém do esperado pelas famílias. Quando são utilizados recursos públicos, estes devem ter sempre em consideração a equidade de direitos de todos os seus intervenientes, e neste caso, os alunos ficam de fora. Aqui, e da forma que vai ser feito, discordo da medida, pois parece-me que fica aquém do que poderia ser feito.

Tenho a certeza que as escolas, os professores e os alunos vão estar preparados e motivados para trabalhar e acabar o ano letivo, de forma positiva.

Deixo os meus desejos de bons estudos e bons exames, para todos, mesmo para os que não vão ter aulas presenciais.

João Bárbara

Comentários