[COVID-19] 10M 500m, FUCK ALL STUPID

(imagem do site da revista Sábado)

Este foi o dia em que acordamos com o máximo, e trágico número de infetados a chegar aos 10.000.000 de pessoas, comuns e menos comuns. O número de mortos também passou a infeliz marca de 500.000 infelizes pessoas.

Volto a deixar no ar, a pergunta que já fiz por diversas vezes: será que agora já dá que pensar?

É bom que todos pensemos no que andamos a fazer, que se reflita sobre a verdadeira importância da saúde pública. Numa fase do ano, em que o nosso Algarve vai receber milhares de turistas, portugueses e não só, espanhóis, franceses, italianos, gregos, suecos, dinamarqueses, ingleses, irlandeses, finlandeses, americanos, brasileiros e tantos outros, é importante a nossa atitude, perante o que a sociedade nos impinge.

Nos últimos dias, temos visto o que os jovens, e mesmo os menos jovens, fazem, sem respeito pela pandemia, e pela população em geral. As festas nos grandes centros e nas praias, as concentrações de franceses e ingleses nas suas praias, os festejos na Bélgica e em Espanha, não agouram um fim feliz para o nosso Algarve e para o, tão esperado Verão algarvio.

Estes festivaleiros têm uma opção, a opção de não o fazer, colocando em risco toda a sua, e dos outros, rede de amigos e familiares. Ao contrário de quem está na linha da frente, aqueles que não se podem a negar ao trabalho diário, no contacto diário com o público, que se vai agravar ainda mais com a chegada de milhares de turistas, sabe-se lá de onde vêm, e com quem estiveram, e ao que estiveram expostos. Esses nada podem fazer, a não ser aceitar o inevitável - o COVID19.

Tenho lido muito, que pior que morrer por COVID-19, é morrer de fome pela fome e miséria que virá no pós pandemia. É verdade, concordo que vai ser catastrófico, mas morrer é morrer, seja como fôr.

A crise que já sentimos, mas que, desde já Vos digo, que isto ainda não é nada, o pior está para vir. Será que devia escrever isto? sim, é a minha visão, a minha opinião.

A sociedade abre as portas, a economia abre as portas, o turismo abre as portas, resumidamente abrimos todos as nossas "portas". Mas, por acaso alguém nos perguntou se nos sentimos confortáveis com as portas abertas? a receber, a atender ao público a todos os que por cá passam? sejam quem for, e venham de onde vierem,

Os espanhóis têm neste momento 250.000 infetados e mais de 28.000 mortos. Frequentemente se ouve falar de números irreais, de números escondidos, de falsidade na transmissão de informação.

Os franceses a chegar aos 200.000 infetados e aos 30.000 mortos. Estes, já abriram escolas e voltaram a fechar. Fazem manifs, sem pensarem nas consequências de tais ajuntamentos.

Os italianos, aqueles que já foram a desgraça no COVID19. Estão neste momento com mais de 240.000 infetados e já ultrapassaram os 34.000 mortos. Tiveram zonas do país completamente fechadas.

Os alemães, aqueles que inicialmente se recusaram a enviar material de proteção para fora do seu país. Têm quase 195.000 infetados e 9.000 mortos. Têm uma gestão política, por diversas vezes questionável.

Os suecos, aqueles que foram considerados como um exemplo, agora ficam de fora das listas de rotas turísticas para alguns dos países atrás mencionados. Têm 65.000 infetados e mais de 5.000 mortos.

E então os americanos e brasileiros, que já bateram todos os recordes maus que havia para bater.

É preciso repensar como abrir a economia, de nada serve se daqui a umas semanas, voltarmos a fechar. As consequências serão trágicas e devastadoras para toda a sociedade portuguesa. Não tenho sugestões para isso, mas sei que ter uma região que vive maioritariamente, do turismo e dos turistas, está a revelar-se como desastroso.
Temos condições para muito mais. Onde está agora a nossa capacidade produtiva? a nossa independência?


@joaobarbara

Comentários