[artigo de opinião] Tempos únicos, merecem atitudes únicas


(artigo de opinião publicado no Jornal de Portimão, em 17/07/2002)

Quando esta pandemia começou, logo pensei estar na altura de termos as Assembleias Municipais em direto.

Será agora que esta proposta teria o devido seguimento e consenso?

Tive oportunidade no início de junho de manifestar ao Sr. Presidente da Assembleia Municipal de Portimão o desapontamento, para o facto de não poder assistir presencialmente à Assembleia Municipal do dia 1 junho. Percebo que as circunstâncias são únicas, e por isso mesmo, pedi uma atitude única e diferenciadora. Ainda hoje, um mês depois, aguardo por uma resposta.

Se é verdade que todos aceitamos a legalidade da decisão, a questão da saúde pública também se aceita, embora entenda que era possível a participação de algum público. E, afinal tinha razão, agora já é possível assistir, com as devidas proteções e contenções que é exigido pela DGS.

Nos últimos anos, mesmo mandatos, foram várias as bancadas parlamentares, e se quisermos referir, podemos mesmo dizer da esquerda à direita, que apresentaram moções para que as Assembleias Municipais de Portimão tivessem transmissão em direto, permitindo assim chegar a muitos mais portimonenses. É possível fazer, os meios técnicos e humanos existem, só fala mesmo a vontade de transparência política, e vontade de chegar a todos os portimonenses.

A aprovação de uma proposta para a transmissão em direto das Assembleias Municipais de Portimão, demonstrava abertura e vontade de chegar ao povo, a todos aqueles, que por uma razão ou outra, não querem, ou não podem estar presentes nas assembleias.

Basta assistir a uma assembleia municipal para perceber o total desinteresse dos portimonenses, em tudo o que por lá se passa. Está na altura de reverter esta situação, temos eleições à porta e todos os portimonenses vão estar por isso mesmo, mais atentos e despertos para o que se passa no nosso concelho.

Não esquecer, que tempos únicos, merecem atitudes únicas.

Comentários