E continuamos numa de luta pela equidade de direitos, agora no ciclismo

 

(créditos da imagem: Federação Portuguesa de Ciclismo)

Nos últimos dias, várias pessoas fizeram-me chegar uma petição que está a correr no Petição Pública, com o título "Petição Pública pela igualdade de direitos de género no ciclismo". 

No texto da Petição é referido pelos peticionários, que "A Federação Portuguesa de Ciclismo realiza de 14 de Agosto a 16 de agosto campeonatos nacionais não tem notícias no seu website sobre os nacionais de fundo para a formação: femininas e masters, temendo estes atletas que os mesmos venham a ser cancelados e explicar o porquê de o fazer…

Assistimos àquilo que é uma discriminação perante géneros e categorias, que vêem a possibilidade de disputar os nacionais de fundo esfumar-se, sem saberem o porquê de tal suceder."

Foi consultar a página da Federação Portuguesa de Ciclismo, e francamente não encontrei nada que explicasse a razão para o género feminino, mnasters e para que o paraciclismo tenha ficado de fora. Estes campeonatos nacionais já passaram, mas a verdade que não encontro nenhuma justificação, nem explicação da federação para esta situação.

Na notícia que é referida, é referido que a federação tem em conta o estado pandémico que atravessamos, as normas estabelecidas pela DGS e por isso se deu prioridade a corridas individuais e de baixo risco. Até aqui tudo bem, mas será que as senhoras, masters e os paraciclistas têm maior risco de contágio que os homens?

Mais do que esta, ou aquela prova, com estes ou estas, é o que pode estar por trás destas decisões. Decisões estranhas e que roçam a discriminação .... 

Os senhores do desporto nacional têm de ser mais claros no que decidem.

@joaobarbara

Comentários