A Moção N abandonou a Mesa Nacional, não podia ser de outra forma


Não é segredo para ninguém que fui subscritor da Moção N à última convenção do Bloco de Esquerda. Identifico-me com o conteúdo e com as pessoas desta tendência (Alternativa Novo Curso), que ainda é minoritária dentro do Bloco, mas à qual vejo vontade e caminho para crescer, 

É evidente que o caminho é sinuoso e cheio de "espinhos", e isso tem sido claro com o que recentemente tem acontecido internamente [mais evidente nas últimas semanas]. Parece que alguns entendem ser contra a tendência dominante.

Quando chegamos à Convenção [no passado dia 22 de maio no Porto] não sabíamos o que esperar. As espectativas eram grandes, fizemos as nossas apresentações [podem ler a minha aqui] e aguardamos pelas votações para os órgãos nacionais do partido. Não sabia muito bem o que esperar, será que apenas íamos ter os nossos votos? isso não aconteceu e o inesperado aconteceu, tivemos o número de votos suficiente para eleger os mesmo cinco para a Mesa Nacional, , mesmo quando muitos não acreditavam.

A partir desse dia passamos a ter mais responsabilidade, em particular com os que  nos elegeram e viram em nós uma tendência [mesmo que ainda minoritária] com possibilidades de crescer e de mudar algo de dentro para fora. Temos feito as nossas intervenções na Mesa Nacional sempre com esse intuito e vontade.

Se é verdade que pedir que nos oiçam até pode parecer estranho, nunca nos esquecemos que a Moção N é um ato de persistência e de não desistência por parte de um grupo de aderentes que não se consegue identificar com o rumo que o Bloco tem tomado. 

Os últimos acontecimentos, com a censura interna da nossa Declaração Política [o que escrevi sobre isso], ainda o demostrou mais. No passado dia 18 de outubro, em reunião da Comissão Política [as moções dominantes A e E] tomaram uma decisão que mancha a nossa história, e votaram a censura da Moção N - retiraram do site institucional do Bloco a Declaração Política do nosso grupo [apenas esteve publicada por algumas horas].

Devolver a discussão e o debate interno, acabar com a atual corrente de carreirismo é ponto assente para a Moção N. Desistir também não, mas não está fácil ...

Por todos estes motivos e mais alguns, ainda neste domingo e em plena Mesa Nacional que discute o programa eleitoral e as listas às Eleições Legislativas, os cinco representes da Moção N abandonaram a reunião em protesto com o que se estava a passar [ver notícia do expresso.pt]. 

As decisões das bases, dos aderentes tem de ser respeitada, não pode a Direção do Bloco vir sobrepor-se a esta vontade e decidir por si [e atenção que não está aqui em causa a(s) pessoa(s) em si mas sim o não respeito pela decisão do coletivo. Mesmo que os estatutos do partido assim o dizem, haverá alguém que entenda ser democrático este tipo de ação? haver há, mas serão esses camaradas verdadeiros democratas?  

Eu discordo deste tipo de ação, temos de nos deixar disto. É vergonhoso e mancha a atuação do nosso Bloco. Deixem-se de Merdas e respeitem as bases do partido.

Obrigado aos cinco camaradas que nos representaram [e muito bem]. O vosso ato de abandonar a sala tem todo o meu respeito, eu faria exatamente o mesmo.

Cansado deste tipo de autoritarismos e de atropelos à democracia interna. 

@joaobarbara

Comentários