Estamos solidários com o povo ucraniano

 


A injustificável invasão da Ucrânia junta-se à pandemia para agonizar a crise que a Europa vai ultrapassar nos próximos tempos. Não existe qualquer tipo de justificação, além de ser uma gravíssima violação do direito internacional e da carta da ONU, da qual a própria Rússia é signatária. 

Mesmo assim, por cá, alguns [que não digo quem são mas eles sabem, os tais amigos destes ideais] não conseguem ver a situação desta forma. A esses, apenas umas palavras, VÃO PARA A PUT*** QUE OS PARIU e que um daqueles mísseis que não rebentam e ficam espetados no chão VOS ENTRE PELO CÚ ACIMA.

A guerra é uma realidade, não parece abrandar. De dia para dia, ou melhor de noite para noite, a situação agrava-se. Estão a ser atacados alvos militares, hospitais e mesmo edifícios habitacionais, nada escapa aos mísseis de Putin. 

Tenho estado chocado, envergonhado e nunca pensei assistir a uma guerra às portas da Europa. Será isto o início da 3ª guerra mundial? Vejo o Mundo, a NATO e a Europa em particular a assistir de lado à morte, à chacina do povo ucraniano. Será isto o mais acertado? O presidente ucraniano já disse que não se rende e que vai defender a sua independência (reconhecida internacionalmente), o que levanta mesmo uma questão - estão as fronteiras reconhecidas internacionalmente por todos realmente seguras, ou esta guerra vai levantar algumas questões e voltar a coltar a reerguer muros e fronteiras físicas? 

Assistimos ao presidente ucraniano a pedir à Cruz Vermelha Internacional para fazer a recolha dos milhares de corpos que existem pelas cidades. Será isto possível?

"Este não pode ser o tempo da força das armas, do gás e do petróleo. A União Europeia deve agora, perante esta crise, deixar de ter dúvidas sobre a importância, também geoestratégica, da Europa e aumentar massivamente o investimento em renováveis e alternativas energéticas.", frase demasiado acertada para ser ignorada e que consta do comunicado do LIVRE que aconselho todos a lerem.

Agora é sim o tempo de enterrar os mortos, fazer o seu luto e tratar os feridos. Vamos ter milhões de refugiados que temos todos o dever de ajudar e acolher. Sei que Portugal o vai fazer, mas desta vez isso não chega, toda a Europa (e talvez não só) tem mesmo de ser muito solidária.

Portugal vai estar na linha da frente dos Direitos Humanos, receber todos os refugiados e vítimas da guerra que poder. Outros devem seguir o exemplo.

Da minha parte, da parte da minha família e amigos estamos solidários com todo o povo ucraniano e com os milhares de ucranianos e luso-ucranianos que, estando em Portugal, sofrem à distância os horrores desta guerra que parece não ter um fim, muitos sem saberem notícias das suas famílias ou amigos.  

@joaobarbara

Comentários